segunda-feira, 12 de novembro de 2007

Dissimulada

Dissimulada. À tua maneira.
Dissimulada. No obsoleto das tuas indecisões, na chamada às minhas preces, vens. Como se nada fosse, como se não houvesse tempo. Pelo mesmo caminho retornas, sem qualquer explicação.
Dissimulada é como me queres. Para os teus números de aparências e puzzles criminais de charme e boa-ventura.

Dissimulada é como me encontro. Sigo as tuas palavras como se fossem ordens, chego ao final delas e vejo que não trazem nada.

Dissimulada, finjo.
Até para ti.

1 comentário:

Black CatDog disse...

Experimenta fingir que postas, parceira fantasma. :-)